Estudo diz que sadomasoquismo “relaxa” cérebro tanto quanto meditação

0 432
Category: O ser Humano, Sexy Written by: With: 0 Comments
Estudo diz que sadomasoquismo “relaxa” cérebro tanto quanto meditação

Pesquisa conduzida por um cientista ligado à Universidade Northern Illinois, nos Estados Unidos, sugere que o sadomasoquismo (sexo envolvendo fatores como dominação e submissão e algum nível de dor) deixa o cérebro no mesmo estado de “consciência alterada” que uma sessão de meditação ou um exercício de corrida.

O estudo, que concluiu que os benefícios são experimentados tanto por quem sente quanto por quem pratica a dor, envolveu 14 participantes e foi apresentado no encontro da Sociedade para Personalidade e Psicologia Social, em Austin, no Texas.

Destes, todos tinham um caráter versátil na prática, ou seja: eram tanto dominadores quanto submissos em suas sessões S&M (como a prática é chamada por seus adeptos). No experimento, eles tinham seu papel determinado por jogar de dados.

Dessa forma, após cada experiência sadomasoquista, essas pessoas realizavam um teste cognitivo conhecido como Stroop (aquele em que a palavra amarelo aparece escrita em azul, por exemplo, e você deve falar a cor). O desempenho no teste mostrou que os participantes tinham um declínio na atividade de uma área do cérebro chamada córtex pré-frontal dorsolateral.

Leveza

Esse nicho do órgão é ligado ao controle da memória e de outras funções essenciais ao pensamento. E é esse mesmo nicho que “relaxa” e traz bem-estar a um indivíduo após uma sessão de corrida ou de meditação, explica, na divulgação do estudo, James Ambler.

Uma menor atividade desse córtex pode levar a uma ‘sensação de leveza, paz e de foco no momento”, como se o tempo estivesse “congelado”, dizem os pesquisadores.

Além desse benefício, a pesquisa também identificou menores níveis de ansiedade entre os adeptos da prática.

Para especialistas que tiveram acesso ao estudo, isso pode se dever a um suposto aumento no nível de sangue enviado ao cérebro como consequência da prática do S&M.

 

Compartilhe!

Comments

comments

About the author